domingo, 20 de abril de 2008

Marketing para livros?

A palavra marketing quer dizer “mercado em movimento”, mais especificamente, marketing é a promoção de um produto. Por vezes, o sucesso nas vendas de um produto é tão somente garantido pelos publicitários e suas brilhantes idéias. Pode não haver consumo, se não há uma extensa campanha publicitária para servir de escopo ao produto.

O que é a Coca-Cola? Prescindindo de teorias conspiratórias, o fato é que a Coca-Cola já não é mais um refrigerante, é uma marca. A Coca-cola quer ser o refrigerante de todos os momentos, ou melhor, quer ser seu refrigerante no café, no almoço e no jantar; quer estar com você nas grandes experiências da vida, na balada, nas viagens, no primeiro emprego; nas datas especiais, no natal, na páscoa, no carnaval.

Enfim, beber Coca-Cola não é só consumir um refrigerante, mas está relacionado ao conjunto de signos e estilos de vida que aspiramos ter enquanto consumimos (compramos) tal produto. É a publicidade que faz ser o que essa grande marca é. O que seria desse mero refrigerante sem publicidade?

Refrigerantes, tênis, roupas, geladeiras, carros, cigarros, redes fast-foods, não seriam nada sem a publicidade, sem criar uma “ilusão” de que, de alguma forma, o produto X ou Y é perfeito para você, que ele vai te deixar livre, feliz, satisfeito, etc. E para atingir seu público-alvo (target), a publicidade realiza os mais variados tipos de pesquisas de marketing, a fim de reunir informações cada vez mais precisas sobre seu consumidor.

Antes que pensem que estou enchendo a bola dos publicitários, eu pergunto: há algum produto que não precise de uma extensa campanha publicitária para ser vendido?

Quando uma editora escolhe publicar determinados autores, o retorno financeiro não é a único critério a ser levado em consideração. Há um outro critério, a qualidade. É claro que há livros de auto-ajuda, romances comerciais, esoterismo nas livrarias. Mas também há Fernando Sabino, Carlos Drummond de Andrade, Machado de Assis, autores que com certeza não dão lucro às suas editoras, mas estão lá, grandes clássicos da literatura nacional.

Se o único critério fosse o de “vendas” não teríamos esses e outros excelentes escritores sendo publicados no Brasil.

Bons livros sempre serão comprados por bons leitores. No entanto, um bom leitor não se “fabrica” simplesmente com apelativas frases em outdoors em beira da estrada. É um processo lento e difícil. Fábio Sá Earp e George Kornis[1] resumem bem essa questão, dizendo que “não há nada mais caro que produzir um leitor”.

De fato, “produzir um leitor” no Brasil é algo complexo, são necessários uma boa educação e programas de incentivos à leitura, enfim, tudo que os nossos governantes sabem e não colocam em prática. E quem mais perde são os próprios brasileiros, vítimas de uma imensa lacuna cultural construída pela história.

Um bom leitor do Brasil comprará livros independentemente de sua publicidade. Afinal, como o marketing pode convencer a massa de que “Crime e Castigo” é uma obra-prima e deve ser comprado? Imaginem os slogans...

“Leia ‘Crime e Castigo’, e tenha um senso apurado das conseqüências de seus atos!”

“Dê um Volta ao Mundo em 80 dias com Júlio Verne.”

Enfim, antes que meus exemplos se tornem mais toscos, não há como criar promessas ilusórias com o produto livro. O livro tem efeitos subjetivos, não há como simplificá-los em uma frase de cinco palavras. Um livro pode mudar a vida de alguém assim como pode não fazer a mínima diferença para outros.

É claro que a publicidade tem favorecido, e muito, o mercado editorial. É um incentivo à leitura, um alicerce, sobretudo para um público não-leitor. A publicidade é uma espécie de tapa-buracos, não a solução. O livro não depende dela. O livro ainda respira porque é alimentado por aqueles que são amantes do conhecimento, cada vez mais escassos.



[1] EARP, Fábio Sá; Kornis, Geroge. A Economia da Cadeia Produtiva do Livro. Rio de Janeio: BNDES, 2004. Se você mora no Rio, este livro pode ser retirado lá no BNDES no Centro (Av. Chile, 100), ou em pdf no site www.bndes.gov.br, na parte de publicações.

8 comentários:

Vania disse...

Taynèe, sem desmerecer o valor do marketing, acho que o que é bom não precisa de propaganda, não é mesmo? E é claro que, se tratando de Brasil, o livro, ou a literatura, nunca atingirá a todos, infelizmente. Enquanto isso, não vamos deixar de insistir na nossa missão de disseminar a cultura por meio da leitura. Aliás, tarefa árdua essa a nossa, enquanto produtores editoriais, de convencer aos que não têm o hábito de ler do quão prazeroso é se lançar nessa grande aventura. E, também, cobrar dos nossos governantes o seu dever de casa.

Taynée Mendes disse...

é isso ái, Vânia!!!
sem dúvida, muito árdua, ainda mais pq não queremos enfiar o livro goela abaixo, queremos que os outros tenham prazer na leitura, e isso é ainda mais difícil...

Vi uma entrevista do Plínio Marcos, editor da EdUsp, no programa Provocações, dizendo que essa era a maior frustração de todo editor... q triste!

Sâmia disse...

Muito bom o post, Taynée!
O bom livro independe do marketing, ele atinge os leitores por si só.
E nós também já acostumamos a olhar com desconfiança para os livros que precisam de muita propaganda, não é?

A maior frustração mesmo é o fato dos leitores, seja de clássicos ou de best-sellers, serem cada vez mais escassos... uma pena.

lucas disse...

Realmente a cultura de nosso país não ajuda muito as nossas crianças e adolescentes a se interessarem por livros. Não sou um dos mais entendidos no assunto(publicidade), mas comecei a ler por influência de um grande amigo, que eu na época(adolescência) tinha como referência de pessoa com caráter e honradez dignas de serem imitadas. A ausência do Estado e da familia são muito grandes em nosso país, e as crianças crescem sem bons referenciais, só querendo seguir carreira de jogador de futebol ou modelo.

Sonia Regly disse...

Ótimo seu textos, se a geração de hoje lesse mais, aprenderiam muitas coisas que lhes falta. Vim te convidar para visitar o Compartilhando as letras, sua visita será uma honra.

Sonia Regly disse...

Taynée:
Obrigada pela agradável visita e pelo sábio comentário.Volte outras vezes para mim é uma honra recebê-la sempre!!!! Obrigada. Beijinhos.

mineirinhanalemanha disse...

Oi Taynée, estou procurando um profissional que faca marketing para livros, o que é uma profissao existente aqui na Alemanha. É um profissional que analisa um material e define a apresentacao, capa e propaganda em volta do livro para que ele alcance seu público-alvo. Agradeco pelo contato!

Rodrigo Gabriel Piris disse...

Olá, gostei do artigo. :) . Pessoal, precisamos incentivar a leitura. Para ajudar a divulgar, indico que acompanhem o site: www.livrosmarketing.com.br, conhecimento faz bem.